domingo, 6 de julho de 2014

Cap. 4 - All I Want Is You (Fic reescrita)


“A verdade é que todos irão te fazer sofrer, mas cabe a você decidir por quem realmente vale a pena chorar.”
- Desconhecido. 

Eu e Tris estávamos sentadas na sala, em silêncio. Eu esperava do fundo do coração, que Justin não fizesse nenhuma besteira. Tinha se passado uma hora e Ângela não tinha ido embora. Eu estava ficando bem nervosa. Queria entrar lá e dar uma surra na cara daquela vadiazinha...

- Eles estão demorando. –Murmurou Tris. –

Obrigada por me lembrar, Beatrice. Ia dizer isso, mas guardei para mim mesma. A porta se abriu e nos duas saltamos de susto.

- Calma. –Disse Clary, na defensiva. – O que estão fazendo?

- Nada que te interesse. –Falei, ríspida. –

- Ângela voltou. Justin está conversando com ela a mais de uma hora. Sozinhos. –Explicou Tris. –

Ela e Clary ignoraram minha ignorância, como sempre. Clarissa arregalou os olhos, surpresa. 

- Ela... voltou?

- Sim, sua best friend forever voltou. –Comentei, sarcástica. – 

Clary ficou pálida. E então me arrependi. Fui muito grossa com ela. Tris me repreendia com o olhar e então me desculpei. 

- Foi mal, mana. Eu só estou... brava.

Clary concordou, ainda perdida em pensamentos. Largou sua mochila no chão, mesmo e caminhou até o sofá, onde nós estávamos e se sentou estática.

- O que faremos? –Tris quebrou o silencio. – 

- Eu voto para entrarmos lá e acabar com a cara dela.

- Sem violência. –Argumentou Tris. –

Clary continuava quieta, com as mãos na cabeça, parecendo em choque.

- Ei, Clary, tudo bem?

Ela não respondeu. Se eu contasse a história toda, vocês não iriam acreditar. Juro.
Mas vou contar mesmo assim.

Acreditem se quiser, mas Jace e Clary já se deram bem, até demais. Sim, eles namoraram. É verdade! Jace e Clary eram o casal mais apaixonado do mundo, como nos filmes, livros, etc... Os dois se amavam, planejavam até casar e ter filhos, ter um futuro juntos. Tudo estava indo bem, até que, bem...

Ângela apareceu. Ela era nova na escola, a menina era muito bonita, não vou mentir. Cabelos loiros, olhos azuis, magra, e aquela coisa toda. Todos os homens eram loucos por ela, menos um. Jace Wayland não tinha olhos para ninguém a não ser Clary Sparks. Só que bem, Ângela não gostou daquilo. Depois de um tempo ela e minha irmã se tornaram “melhores amigas”. Inseparáveis. E justo nessa época, Jace e Clary tiveram muitas brigas, como todo namoro. E como ela contava tudo para Ângela, ela aproveitou esse momento de brigas e discussões e separou o casal de vez. Em uma bela noite, fomos para uma festa, e enquanto dançávamos, Clary do nada ficou paralisada e com os olhos cheios de lágrimas. 

Pois centímetros a sua frente, estava Jace e Ângela se beijando. 

Jace estava mais bêbado que sei lá o que e Ângela sorria maldosa. Óbvio que eu e Clary demos umas belas surras naquele rostinho bonito, e Jace não escapou também. No dia seguinte, Jace não se lembrava de nada e quando Clary contou o motivo, ele disse que não era nada daquilo, que estava bêbado e etc, mas ela nunca o perdoou. 

E então o amor que eles sentiam um pelo outro virou esse ódio mortal de hoje.
Ângela sumiu por um tempo e quando a poeira abaixou, ela voltou com força total. Justin e eu sempre nos demos bem. É verdade, teve uma época que eu até senti um sentimento maior por ele, eu tinha o que? 14 anos, nessa idade eu tinha uma paixonite por ele. Grande mesmo. E então quem Ângela pegou dessa vez?
  Justin Bieber.


Ele parecia corresponder meu sentimento, meu primeiro beijo foi com ele. É, pessoal. Mas então Ângela chegou e roubou ele de mim. Roubou o coração dele. Fiquei puta da vida, mas ele não tinha culpa. Nós não mandamos em nossos corações. Fiquei puta com Ângela. Ela não sentia nada por ele, apenas queria me irritar. Queria me ferir como eu e Clary a ferimos na festa. Mas nós a ferimos fisicamente e ela, emocionalmente.

Justin estava perdido de amores por Ângela, até que ela o humilhou em uma festa, dizendo que nunca sentiu e nunca ia sentir nada por ele.

A partir dali, tudo mudou. Justin era um cara com muitos amigos e bem sociável, mas depois daquilo ele se fechou.

Não falava com ninguém e demorou em voltar ao normal, todos zoavam ele, e até hoje zoam. Ângela abriu uma ferida nele que nunca iria cicatrizar por completo. 

E depois que ela o humilhou, ela se mudou de País e nunca mais deu sinal de vida. Até hoje.

- Não posso acreditar que ela voltou. –Sussurrou. –

Só ai eu percebi que ela estava chorando. Não de tristeza, mas sim de raiva.

- Clary, está tudo bem, ok? Eu não vou deixar... –Ela me interrompeu. - 

- Se ela se atrever a fazer algo comigo, com você, ou com qualquer um, ela pode se considerar morta. –A voz dela estava trêmula de raiva. -

- Ela não é louca nem de tentar. –Afirmei, abraçando minha irmã. – 

Tris olhava para nós mordendo o lábio. Ela estava querendo contar algo a nós, mas não sabia como. Suspirei fundo, me preparando para o pior.

- Desembucha. Nada pode ficar pior. 

Tris apenas apontou para a janela. E então todas nós ficamos em silêncio. Eu sempre me enganando... 

Ângela e Justin estavam conversando lá fora, até que param. E então veio uma cena bem pior. Ângela o beijou. 

E o pior de tudo, ele não a impediu.

Nova York. – Brooklyn.
16h00 p.m. – Dias atuais.

Jason encarava a tela de seu computador procurando respostas. Tinha-se uma coisa a qual o deixava puto da vida era isso, não estar no controle.
O negócio era simples, o pai de Jason tinha sido assassinado. Foi a pior cena que Jason presenciou na vida. Ele tinha ido para casa de um amigo e quando voltou para casa, chamou o pai, mas o silêncio veio em resposta. “Ah, ele saiu”.
Foi o que o pobre Jason pensou.
Ele foi para o quatro e ficou jogando videogame. Jason nessa época tinha apenas 14 anos, ele era muito novo. Não sabia que o pai tinha um histórico sujo de sangue, o menino começou a estranhar a demora do pai, foi até o quarto dele ver se estava dormindo e suspirou aliviado ao ver que estava dormindo de costas.
Entrou no quarto, sem fazer muito barulho, afinal, não queria acordar o pai. Aproximou-se, até que sentiu algo gelado em seus pés. Franziu o cenho e abaixou a cabeça, para ver o que era. Sentiu seu coração gelar. Sangue.
Foi até o pai rapidamente e o virou para frente e lá tinha os olhos do pai arregalados, a boca entre aberta, como se ele tivesse tentado gritar e o pior de tudo, uma adaga cravada em seu coração.
Ao lado, tinha um bilhete:
“É ruim ver uma pessoa que amamos morta, não é, Jason? Mas não se assuste. Não ainda... esse é apenas o começo.”
Aquele Jason nunca foi um menino mal, ele era divertido e se importava com os outros.
            Aquele Jason jamais machucaria alguém. Aquele Jason era um menino fofo e educado.
Aquele Jason, no instante que viu aquela cena chocante, morreu.
E então um novo Jason McCann nasceu. E ele era, definitivamente, a última pessoa que você gostaria de conhecer em sua vida.
O garoto balançou a cabeça, tentando afastar aqueles pensamentos. Precisava encontrar o assassino que matou seu pai. Precisava se vingar. 

- Chaz, preciso que venha aqui. –Ordenou, no telefone. –

- Estou a caminho, chefe. 

- Se não estiver aqui em dois minutos, eu mato você. –Rosnou. - 

Sem se despedir, Jason desligou o telefone. Ele precisava urgentemente de respostas. E tinha uma sensação que seria muito difícil consegui-las.



Stratford, Canadá. – Casa dos Sparks.
16h00 p.m – Dias atuais.

(Seu nome) Sparks P.O.V

Todos na sala estavam em completo silêncio, inclusive eu. Minhas costelas estavam doendo muito, acho que quebrei algumas. Exagerei. Clary voltou e colocou em meu machucado o gelo, ela também estava machucada, mas eu ganhava dela. Tris tinha alguns arranhões, mas eu... Eu tinha um corte da boca. Feio, por sinal. 

Oh, desculpe, me deixe explicar... Quando eu vi aquela cena. Sim, aquela cena, eu não consegui me controlar, algo dentro de mim tinha despertado e não foi nada bonito. Beatrice tentou me impedir, tentou, mesmo. Mas infelizmente não conseguiu. Eu saí disparada da minha casa e fui até os dois, que ela beijava como se o mundo fosse acabar. Patéticos. Empurrei-a, a Ângela, totalmente surpresa, me olhou como se eu fosse um E.T, mas ela não teve muito tempo de olhar, pois... Eu dei um murro bem forte naquele rostinho lindo. Olha, eu queria dizer que não me orgulho e tal, mas... PORRA, FOI O SOCO! Fiquei muito feliz com a minha pontaria e minha força. Só que parece que Justin não. 


Ér...
Ela não demorou muito para revidar, mas eu desviei rapidamente, a fazendo socar o ar. Nem percebi que Clary e Tris estavam ao meu lado, eu estava mais concentrada naquele projeto de gente... 

Ela conseguiu me dar um soco, leve, mas como ela estava com um anel, pontudo aquilo machucou pra caralho a minha boca. Senti o gosto de sangue em meu lábio, me fazendo ficar mais irritada ainda. 

Certo, ela pediu por isso. Começou a puxar meu cabelo o que me fez quase rir. Quase. Eu teria rido se eu não estivesse com tanta raiva.

Aquele resto de aborto! Ugh.

- Eu vou mostrar como se briga de verdade, sua vadia. -Falei. –

E então dei outro soco em sua cara, mas dessa vez ela foi para o chão. Quando eu ia para cima dela, dar meu golpe final, Justin me segurou. Fiquei puta, obviamente.

- (Sn), chega. –Ele falou, rudemente. - Você já deu seu showzinho, agora já pode parar. 

Eu senti algo rasgar dentro do meu peito. Justin nunca falou daquele jeito comigo. 
Nem quando eu matei sem querer seu peixe dourado quando éramos pequenos. Ângela já estava de pé e quando estava vindo em minha direção, um vulto entrou da minha frente. Vi que esse vulto era minha irmã. Clary pegou ela pela gola da camisa e falou bem alto:

- Se encostar na minha irmã de novo, sua fedelha, eu acabo com a sua vida. –Sua voz tremia de raiva. – Fique longe dela. Fique longe de todos nós

E então a soltou e Ângela estava no chão de novo. Fiquei satisfeita em ver sua cara toda ferrada. Tinha os dois olhos roxos, seu lábio tinha um pequeno corte e seu cílio estava com um corte.
Nada mal.

Justin me soltou bruscamente e foi até seu lado. E senti algo dentro de mim se quebrar, acho que tinha sido meu coração. 

- Você está bem, Angel?

Ela negou com a cabeça. 

- Vem, vamos entrar, eu vou cuidar de você. –Ele disse, ajudando a vadia a se levantar. 

- Justin. –Sussurrei, não acreditando na cena que eu via. –

- Conversamos depois, (Sn). –Ele falou, sem olhar para mim. –

Aquilo estava errado. Muito errado. Justin devia deixar aquela imbecil apodrecer lá no chão e cuidar de mim, que também estava ferida. Um pouco, mas mesmo assim...
Ele era meu melhor amigo, aquele que sempre estaria ao meu lado, mesmo quando eu não tivesse razão. Aquele que me apoiaria, mesmo eu estando errada. Aquele que nunca sairia do meu lado. Só que vendo aquela cena, percebi que o termo ‘melhor amigo’ não se encaixava ali.
Tris estava firme ao meu lado e parecia magoada com Justin também, Clary estava ao meu outro lado, pulsando de raiva. E eu estava entre elas, com o coração partido.

- Não. –Sussurrei. – Se você passar com ela pela aquela porta, Justin, nós não vamos conversar depois. Nós não vamos conversar nunca mais

Certo, eu podia estar sendo um pouco dramática e coisa e tal, mas eu estava me sentindo traída. Ele tinha escolhido ela à vez de mim. Ela. Justo ela. Ela tinha humilhado ele. E sabe quem esteve ao seu lado, sempre? O ajudando? Sim, eu. A trouxa aqui.
Esperei para ver qual escolha ele faria. Meus olhos se cruzaram com os dele e eu soube. 

- Ótimo. –Murmurei, sentindo meu coração quer sair pela boca. –

E então ele pegou Angel pelo braço e a levou para dentro. E eu segui para minha casa, sentindo as lágrimas se acumularem em meus olhos. Algumas pessoas podem achar esse motivo bobo para terminar uma amizade de anos, mas... Eu penso assim, se ele a escolheu em uma situação assim, imagine se fosse uma situação realmente séria? Tipo, um incêndio? Uma situação de vida ou morte?
Eu sou uma garota muito leal, então acho que meu erro é esse... Eu espero que todas as pessoas também sejam assim. Sinto os braços de minha irmã me envolver em um abraço de lado, e Tris segura minha mão, então nós três caminhamos para minha casa em silêncio.
Quando chegamos lá está tudo apagado, meus pais ainda não tinham chegado. Eles só chegam em casa depois da meia noite e saem as cinco da manhã, eu quase nunca os vejo.
Subi para meu quarto, totalmente arrasada. Acho que aquele era realmente o fim. O fim de uma amizade de anos. Entrei no meu quarto e me tranquei lá dentro e então eu fechei minha varanda, nem me atrevendo a olhar para a visão que ela dava, que era o quarto de Jus.
Joguei-me na minha cama e fechei os olhos com força, desejando que tudo fosse apenas um pesadelo, mas é claro que não era.

+++
- Vamos, Clary. –Chamei minha irmã, pela décima vez. –

- Já estou aqui. 

Clary desceu apressadamente e se pôs ao meu lado. Sorri para ela e fomos até a garagem, quando eu ia entrar no banco de motorista avistei um vulto. Só que o vulto tinha nome e sobrenome.

- Tris. –Sorri carinhosa. –

Ela sorriu de volta, mas não parecia feliz. Ninguém estava. Não desde ontem. Ela se aproximou de nós, nos cumprimentando e então, perguntou.

- Podem me dar uma carona?

- Claro. –Digo eu. – Mas porque não vai com seu irmão?

- Hm, ele... Ele não dormiu em casa. –Falou sem jeito. – E mesmo se estivesse, eu estou o evitando. 

Parei de ouviu no ele não dormiu em casa. Senti como se tivesse levado um soco, mas logo me repreendi. Justin era grandinho o suficiente para se cuidar. Para fazer suas próprias escolhas... 
E para lidar com as consequências delas. 

- Entra aí, mini gênio. – A chamei como Dylan a chama. –

- Vá se ferrar. –Falou entrando no banco de trás. –

Clary riu e começou a dirigir. Ficamos conversando sobre besteiras e enfim chegamos à escola. Suspirei pesadamente. Não seria a mesma coisa sem ele...
Oh, meu Deus. ESQUECE ELE. Saí do carro, com raiva de mim mesma, Tris saiu logo depois e então Clary. Minha irmã se despediu e foi para o prédio dela e então eu e Tris fomos para nossa próxima aula, que era a mesma, física. Uma bostinha.
As três primeiras aulas se passaram rapidamente, por incrível que pareça, logo fomos para o intervalo. 

- Jack me convidou para sair... –Contava ela. –

Se tudo estivesse normal, eu começaria a gritar e pedir detalhes, mas... Eu estava triste. Eu odiava brigar com meus amigos. Quando isso acontecia, eu era a primeira a pedir desculpas, pois odeio ficar em situações como essa, mas dessa vez era diferente. Justin realmente tinha me magoado. E dessa vez eu não correria atrás. 

- Legal. –Sorri de lado. – Vai aceitar?

- Não sei. –Ela deu de ombros. – Acho que sim, ele parece legal.

Para começar, eu nem sei quem é Jack. Tris também não parecia tão animada, então nem resolvi puxar assunto. Assim que chegamos ao pátio, vi a arvore que eu e Justin sempre passávamos o recreio de baixo dela, comendo muffin e como todos os dias, ele estava lá. Nossos olhares cruzaram e eu rapidamente desviei.
Puxei Tris para andarmos mais rápido, mas então vi alguém ao meu lado. E só pelo fato do meu coração acelerar soube que era Bieber.

- Precisamos conversar.

- Não temos nada para falar.

- (Sn), por favor...

- Eu não quero saber, Justin. –Me soltei de sua mão que me segurava. – É tão difícil entender? Eu não quero saber mais

Saí de lá irritada, mas Justin me seguia. Só aí percebi que Beatrice não estava mais com a gente. Merda. Andei mais rápido, mas ouvia seus passos logo atrás de mim, o que me fez fechar os olhos, pensando no que fiz de tão errado para merecer isso...

- Pare de agir como uma criança. –Falou ele, totalmente irritado. –

Mas não tanto quanto eu, claro. Naquele momento, eu achava que era impossível...

- Eu? Tem certeza, Justin? Está insinuando que eu estou errada? Puta merda, Bieber. Você a escolheu, ao em vez de mim. Escolheu-a. Ela, a garota que quebrou seu coração. Ela, a vaca do século. Ela que magoou minha irmã. Ela, que tentou acabar comigo. E eu, Justin, a garota que sempre estive ao seu lado. Nos momentos bons e ruins. Eu, que sempre sorrio quando você sorri. Que sempre choro quando você chora. Eu, que não vivo sem você. Eu, que sou sua melhor amiga. Era. –Corrigi apressadamente. – Você me deixou de lado e a escolheu. Poxa vida. Isso para mim mostrou que eu não devo te considerar um melhor amigo, na melhor das hipóteses, um conhecido. Acho que nem isso...

- Como você é dramática, (Sn)! Você sabe o quanto eu gosto dela...

- E você sabe o quanto eu a odeio. –Digo, sentindo meus olhos se encherem de lágrimas. – 

- (Sn), ela mudou. Eu juro. Ela mudou totalmente e...

- Não. Ela não mudou, porra. E nem você, que continua caindo nas historinhas dela! Sabe a diferença do passado para agora? É que agora quando ela machucar seu coração, eu não vou mais estar ao seu lado para tentar curá-lo. 

Eu estava irritada e então dizia as coisas sem pensar, mas ele estava errado em meu ponto de vista. Eu tinha tomado minha decisão e não voltaria atrás. Assim como ele tomou a dele, quando a levou para dentro de sua casa. Justin me olhou, chateado. E eu não o culpei por isso, afinal, eu estava tão chateada quanto ele. Minha mágoa era maior que a raiva. Mas acho que no final, ambas eram iguais.

- (Sn)... –Ele tentou mais uma vez. –

- Me esquece, ok?

- Você não pode fazer isso, somos amigos por anos, nós temos muitas coisas para você jogar tudo no lixo por causa de uma coisa boba...

- Isso só prova, Jus, que nós não nos conhecemos de verdade, mesmo depois de todos esses anos. Eu podia jurar que você sempre me escolheria, não importa se fosse para a equipe de educação física ou se fosse para me salvar de um incêndio...  Só que eu estava errada, o que não é nenhuma novidade...

- Se fosse você no meu lugar, quem escolheria, eu ou Dylan?

Sério que ele fazia aquela pergunta a mim? O olhei totalmente incrédula. Certo, aquilo foi à gota d’água.  

- Você, seu imbecil. –Gritei, totalmente histérica. - Você. Amizade antes de tudo se lembra? Eu escolheria você, Justin. Sempre. Sempre você. 

Mas como dizia Emily Dickinson, o para sempre é composto de agoras. E ela não podia estar mais certa. Ele me olhava com a boca aberta, totalmente sem palavras. Eu o olhei com atenção e percebi que tinha algo em seus olhos, algo que perfurou meu coração.
Em seus olhos eu via um único sentimento: Desistência.
Percebi que naquele momento, ele também estava desistindo. Justin me olhou de volta e assentiu lentamente.

- Então esse é o fim?

Eu não disse nada. Ele fez um barulho com a boca e logo depois riu sem humor. Tudo bem, (Sn), não chore... Não chore... Você é forte. 

- Tudo bem, se é assim que você quer. 

Agora fui eu quem assenti. Justin sorriu sem humor, mais uma vez. E eu dessa vez retribui. 

- A gente se esbarra por aí, algum dia, então. Quem sabe. –Ele falou se afastando. –

- Espero que esse dia não chegue. –Falei, lutando para minha voz não falhar. –

Ele não se virou, ele não respondeu. Apenas se afastou. Se foi, para longe. E então quando desapareceu do meu campo de visão, finalmente desabei. 

----------------------------------------------
Justin, seu imbecil! Ninguém merece... Apenas esperando ele se ferrar para nós rirmos da cara dele... Porque ele está merecendo! #Maldade. Mas no final das contas, a amizade prevalece. 
Comentem, gatinhas <3 

Versão interativa: aqui


8 comentários:

  1. Continuaaaa logo diva,muito perfeito essa ib,Affu justin burro em espero que essa vaca destrua ele de novo so pra ele parar de ser burro😡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda! Fico muito feliz que tenha gostado <333 Sim, Justin imbecil hauahu Totalmente apoio essa ideia hahaha
      Bjs <3
      Ps: diva é você ;)

      Excluir
  2. Hey!!! Eu não estou entendendo nada! É a segunda temporada???

    ResponderExcluir
  3. aaaaaaaaaaaaaah continue logo eu estou bastante ansiooosa cara esta tão perfeito aaah eu imploroo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natty linda <33333333333 Vou continuar sim hahaha Já tem bastante capítulos prontos hahaha Perfeita é você! Bjss
      Ps: tem twitter?

      Excluir
  4. Nossa tem tanto tempo que não leio suas Ibs,que agora que eu comecei a ler essa,não quero parar mais...continua logo eu estou super, hiper, mega ansiosa para o próximo cap. esta tão perfeito,afinal todas as suas ibs são perfeitas...vc é muito diva...continua

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thayssss, estava com saudades de você! Achei que tinha me abandonado :c E awn, jura? Fico MUITO feliz em ler isso, sério. hahaha Espero que esteja gostando da nova versão de All I Want Is you! Muito obrigada pelo carinho e você que é diva :D
      Bjsss

      Excluir

obrigadaaa por comenta
espero que tenham gostado bjbj