quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Cap. 7 - Dear Angel



12 anos depois.
Dias Atuais


“As pessoas mudam, sabe? Elas têm que mudar. Alguns acontecimentos nos fazem crescer.” 
- (Fazendo Meu Filme 4)




Ótimo, atrasada de novo. Caminhei mais rápido. Tudo bem, 5 minutos atrasada. Estranhei e olhei de novo. 55 minutos, eu estou morta. Comecei a correr que nem uma louca. O bom de morar em nova York é que as pessoas não ligam para isso, você pode sair pelado que todo mundo vai achar isso normal. Ah, eu amo aqui. É bem diferente de Londres, onde eu nasci. Passei correndo no restaurante mais próximo da onde estava, chequei meu celular e ops, 15 mensagens e 37 chamadas perdidas. Esse povo é bem desesperado, eu hein. Aposto que a maioria foi da Nora que deve estar estressada, pois deve estar com fome e Camille, claro, preocupada. Corri o mais rápido possível e então chegou a parte mais difícil: chamar um táxi. 


Depois de 20 minutos, um taxi parou e eu entrei rapidamente antes que alguém fizesse isso por mim, falei o endereço do apartamento e ele assentiu. 


Eu morava só um pouquinho longe do centro, no time square, sabe? Então. Depois de alguns minutinhos, que pareceram eternidade, cheguei ao meu apartamento. Na verdade é meu e das meninas. Pois é, eu tenho 25 anos e moro com as minhas amigas encalhadas, e eu também me incluo nas "encalhadas" 
A vida é triste. 

Respirei fundo e sai do táxi com todas as sacolas. Não eram poucas. Paguei o cara e subi as escadas do prédio. Deixei as sacolas no chão e meu celular na mureta que tinha ali e procurei minhas chaves na bolsa. Legal, cadê essas merdas de chaves? Bufei irritada, ok, desisto. Fui tocar o interfone, mas tinha uma plaquinha escrita “quebrada.” Hoje não é o meu dia. Suspirei e voltei a procurar na bolsa. Essas bolsas grandes e eu = Error 404 


Finalmente achei, dei um grito de felicidade e algumas pessoas olharam para mim, mas voltaram ao que estavam fazendo. Peguei as sacolas e quando vi meu celular não estava na mureta. Olhei ao redor e vi um menino novo, aparentava ter 14 anos, correndo com meu celular e ele ria. Vou matar aquele resto de aborto. Larguei tudo e comecei a correr atrás dele. 


- VOLTA AQUI, PROJETO DE GENTE! 


Mas ele era muito rápido. Logo ele sumiu da minha vista e eu voltei para meu prédio, arrasada. Minha bolsa e as comidas estavam lá, do jeito que eu deixei. Peguei-as e entrei no bloco. Não acredito. Meu iphone 5s. Tão novinho. Tão lindinho. Tão meu. Subi as escadas, sim, não tinha elevador. Já reclamei com o sindico, não se preocupem. Mas voltando ao assunto, Martin tinha sido sequestrado. Martin é o meu iphone. Quer dizer, era. Abri a porta de casa e a sala estava vazia. Entrei e fui direto para a cozinha. Larguei as sacolas com a comida e fui direto para o sofá, me jogando lá. Eu queria morrer. Martin tinha me deixado. 


- Quem é vivo sempre aparece. 


Olhei para cima fazendo biquinho, era Daniel. Namorado da Kate. Sim, quando eu disse encalhada não inclui Campbell nessa. 


- Fala coisa chata. –Disse abraçando ele. 


- Parece chateada, aconteceu algo, pequena? 


- Waters , eu tenho 25 anos. 


- Mas tem a cabeça de uma menina de 12 anos. –Sorriu meigo me abraçando. 


- Magoou. –Disse chateada e ele riu. – 


Daniel tinha 26 anos, ele sempre morou aqui em NY. Ele morava perto da nossa casa, acho que 2 quadras. Mas ele sempre estava aqui, era como se aqui fosse a segunda casa dele, literalmente. Waters , como eu costumava a chamar ele, era um grande amigo. Ele sempre me tratou bem. Tratava Camille e Nora bem, mas nada comparado a mim. Nós sempre nos entendemos e eu o adorava. 


- Você sabe que eu te amo. –Ele sorriu. – 


- Ei, tá me traindo com a minha melhor amiga, Daniel? – Disse Kate sorrindo. – 


- Droga. Não acredito que você descobriu que eu e a (Sn) tínhamos um caso. –Brincou Daniel. – 


- Bobo. –Sorriu Kate beijando o namorado. –

Sim, vocês não estão loucos. É, essa daqui é a Kate. Sim, a Kate do passado. Pois é, a mesma Kate que eu não suportava, odiava com todas as minhas forças e era minha maior inimiga, agora era minha melhor amiga. Uma das, quer dizer. Oh, a ironia do destino. Daniel e Kate namoravam a 2 anos. Eles eram tipo, o casal mais fofo do mundo. Para mim, claro. 

- Demorou para chegar, (Sn) . Aconteceu alguma coisa? 


- Sim, Martin aconteceu! –Disse triste. – 


- Martin? –Disse Daniel confuso. – 


- O Iphone dela. –Explicou Kate para ele. – 


- AI MEU DEUS, SUA VADIA! EU ESTAVA QUASE MORRENDO! –

Disse Nora chegando à sala junto com Cams. – 

Cams ria da reação de Nora e ela se levantou e me abraçou. Nora já abria as marmitas que estavam às comidas. Nora sendo Nora. Ri um pouco e me levantei do sofá. Kate eDaniel prepararam a mesa enquanto eu sentava. Folgada? Nem um pouco. Quando a mesa já estava arrumada e todas nós estávamos nos servindo, Kate me perguntou. - E então, o que aconteceu com o Martin? 


- Nem me lembre. –Disse tristonha. – Ele foi sequestrado a essa altura já deve estar morto. 


- Oh, pobre Martin, tão novo... –Lamentou Cams. – 


- Martin era um celular tão lindinho... –Suspirou Nora. – Fora que te ajudei a pagar ele. 


- Pois é, pois é. R.I.P Martin. 


- É só um celular. –Disse Daniel cuidadoso. – 


- Daniel, não era só um celular, ok? –gritei. – Martin era O celular. Meu irmão. Meu parceiro. Minha vida. Como eu vou ligar para as pessoas, Daniel? Me diz, como? E como eu vou checar o instagram? E mandar sms, com sinais de fumaça? Não tem como,Waters . Sabe quanto eu gastei com aquela belezinha? Não queira saber. Então cala a boca antes de falar merda. 


Todos na mesa ficaram em silencio então me levantei bruscamente e disse: 


- Perdi o apetite. 


Fui para o meu quarto e segurei o riso. Sempre quis falar isso “Perdi o apetite.” As meninas e o Daniel costumavam a me chamar de dramática, criança e louca. Mas eu só era feliz. Ainda rindo me olhei no espelho do meu quarto. Mas parei de rir na hora. Meus cabelos longos e escuros caiam sobre meus ombros. Eu estava meio pálida, mas em vez de ficar feia, até que ficou legal. Realçava meu rosto. Meu lábio era vermelho naturalmente, raramente usava batom. Olhei de novo no espelho e sorri. Meu sorriso não era como antes. Ah droga, quem eu queria enganar? Eu não era feliz coisa nenhuma. Olha só para mim. 25 anos, morando com as amigas de infância, um emprego bosta, perdi meu celular... Fui roubada, na verdade. Oh, nem expliquei como estava minha vida, certo? 
Depois daquele dia (sim, aquele dia a 12 anos atrás) tudo começou a dar errado. As coisas só pioravam e eu entrei em depressão, meus amigos me ajudaram muito, mas só uma pessoa podia me ajudar, e ela não estava mais lá. Depois de alguns anos, as coisas voltaram um pouco ao normal, mas então tudo piorou novamente. Minha mãe ficou doente e morreu. Todos ficaram mal. Eu passei dias trancada em casa, chorando. Meu pai, se possível, ficou pior que eu. A vida não estava sendo legal comigo. Eu tinha perdido as duas pessoas mais especiais para mim: Meu melhor amigo e minha heroína, minha mãe. Eu não tinha vontade mais de viver. Eu queria se juntar a minha mãe lá no céu, mas eu não podia. Não podia deixar meu pai. E então, eu cansei de me sentir fraca, impotente. Minha mãe não gostaria de me ver sofrer. Então eu coloquei minha vida nos eixos. Minhas amigas sempre estiveram ao meu lado. Nos melhor e principalmente nos piores momentos. Eu e Kate nos aproximamos nessa época. Às vezes Camille e Nora não iam a minha casa me ver, mas Kate ia todo dia. Não faltava nenhum dia sequer. E eu fiquei muito grata por isso. Terminei a faculdade e quis dar uma mudada na minha vida. Quis ir para NY, mas meu pai não ficou feliz com a idéia. As meninas também queriam mudar a rotina e aceitaram ir para NY comigo. Meu pai enfim, deixou. Mas tínhamos um acordo, ele disse “Se você quer se tornar tão independente... Tudo bem. Mas faça por merecer isso.” E então combinamos que eu me sustentaria sozinha. Se tudo desse errado, eu voltaria para Londres. Tudo estava indo bem... na verdade, mais ou menos. Amanhã completaria doze anos. Doze anos que ele se foi. Doze anos que ele me deixou. Doze anos que meu coração estava partido. 


Doze anos que minha vida estava destruída. 


Eu não guardava tanta magoa como antes. Quer dizer, quando Justin Bieber foi embora pareceu que uma parte de mim também tinha ido. Era triste, sabe? Quando eu me sentia triste, ou queria me isolar do mundo, e eu não podia, pois ele não estava lá mais lá. Ele era meu refugio. Era. 
Preciso parar de pensar nisso. Eu preciso esquecer. Seguir em frente. Balancei a cabeça e me levantei da cama. Como eu sou idiota, correndo por pessoas que não dariam nem um passo por mim. Essa expressão foi bem Tumblr, mas encaixa na situação. Eu posso parecer, mas não sou uma menina indefesa. Não mais. 
Senti-me deprimida repentinamente. Precisava sair. Dar umas voltas, quem sabe ir ao shopping? Ou até mesmo comprar um celular novo. Nenhuma substituiria Martin, mas... 
Sempre perdemos coisas queridas, não é? 
É difícil dizer Adeus. 
Eu sei disso. Aprendi do modo mais difícil. 
Infelizmente. 


Xx 


- Quanto está esse, moço? –Disse apontando para o 5c roxo. – 
- $1.000 dólares. 


- Oi, você enlouqueceu? –Deu um gritinho. – Tá achando que eu cago dinheiro, moço? Porque se não olha na minha cara e fala isso! Mil dólares nessa droga que se eu colocar ao lado do forno derrete? Que absurdo! Isso é exploração! 


- Amiga, calma. –Disse Cams. – 


- Calma nada, Camille. –Defendeu-me Nora. – Esse cara tá achando o que? Que dinheiro nasce na arvore? Chama o gerente, agora! 


- Senhoras... 


- Senhora está no céu! –Disse. – Não precisa chamar o gerente. Eu vou embora, ok? Acabaram de perder uma cliente. Sinto muito. 
Ele permaneceu olhando para nós três sem falar nada. 


- Adeuzinho. Espero que se sinta culpado e fala para o seu chefe que só porque ele nada no dinheiro isso não quer dizer que todos sejam iguais a ele! 


Eu, Nora e Camille, saímos de braços entrelaçados da loja. Garoto abusado, eu ein. E que negocio aquele? Pelo amor de Deus. Martin, por que se foi? Suspirei pesadamente, essa era a décima loja de celulares que entramos. Essa foi à única que saímos por vontade própria e não expulsas, como nas outras. Estava quase escurecendo. Eu precisava de um celular, ainda mais para o meu trabalho, pois exige que eu use muito o celular. Fomos a uma ultima loja e eu comprei o 4s, pois estava baratinho e dava para parcelar. Comprei um novo numero, graças a Deus tinha conseguido recuperar minha agenda telefônica, fotos e tudo mais. E bloqueie o Martin, então quem quer que seja pode estar com ele, mas não poderá usa-lo. Mandei uma mensagem para as pessoas mais importantes falando que mudei de numero e enfim, fomos para casa. Eu estava exausta e queria dormir. Hoje eu tive um dia de folga no trabalho, graças a Deus. 


Kate e Daniel não estavam no apartamento quando chegamos, devem ter saído. Como tínhamos jantado no shopping, fui direto para o meu quarto e dormi. Amanhã, seria um longo dia. 

[...]


Acordei e estranhei o meu despertador não ter tocado como todas as manhãs. Levantei bocejando e me espreguiçando. Que soninho! Fui para o banheiro e me olhei no espelho, estava um caco. Tipo, um caco mesmo. Prendi meu cabelo em rabo de cavalo e escovei os dentes, fiz minha higiene pessoal e voltei para o quarto. Tirei meu pijama dos smurfs e coloquei uma calça jeans e uma blusa preta, bem básica, regata que era presa na garganta, com um tipo de digamos, furo. Brincos pretos, longo, combinando com a roupa, algumas pulseiras e um par de saltos. Prendi meu cabelo em um coque trançado. E finalmente estava pronta . 
Voltei para o meu quarto, será que da para parar no Starbucks? Fui até a sala e ninguém estava lá, devem estar dormindo ainda. Eu que trabalho cedo, né... 


Nora é Jornalista, sempre perguntando e sendo curiosa. Camille trabalha em outro ramo, ela é psicóloga. Leva jeito para a coisa. Daniel é arquiteto e musico nas horas vagas. Ele tem uma bandinha, chamada “The Fuck’s”. Realmente, o mundo esta perdido. Todo mundo da banda é péssimo, menos Daniel. Não falo isso porque ele é meu amigo, mas sim porque é verdade. O Waters toca e canta bem, podia fazer sucesso se fosse carreira solo. Mas fazer o que, né? Kate é fotografa, bate foto de tudo. Ela faz fotos de casamentos, festinhas, nas horas vagas. Mas seu emprego fixo mesmo é de fotografa na revista People. Ela trabalha lá e eu também. Só que... Ela tem um cargo top enquanto eu... 


Enquanto eu sou assistente. Uma mera assistente. 
É. Sabe a “Moça do café” ou a faz-tudo? Então, sou eu. Em falar nisso, preciso ir para o trabalho. Antes de ir pego meu celular novo e bato no quarto de Nora. Nada. Estranho e bato no da Camille. Nada também. Nem tento no da Kate, pois ela deve ter dormido na casa do Daniel. Cadê todo mundo? Checo a hora e quase caio para trás. 
Dou um pulo. São 9h30. E eu tinha que estar lá as 8h00. Eu estou ferrada. E a única coisa que eu penso enquanto corro é que... não vai dar para parar no Starbucks. 

[...]


Ferrada era pouco. Eu estava perdida. Corri demais, não sei como meu penteado não desmanchou. Tentei pegar um taxi, mas iria demorar demais, fui correndo mesmo. Eu sempre estou correndo, impressionante. Eu sou rica, quer dizer, meu pai. Eu podia estar nadando no dinheiro, no bem bom, ser fazer nada. Mas ai não teria tanta graça. Quer dizer, agora vejo que eu estou um pouquinho errada. Entro no prédio da redação e a primeira pessoa que vejo é Molly. Ótimo. Comecei o dia bem. Chamo o elevador, Céus está no vigésimo andar. Escada, lá vamos nós. 


Meus pés doem, pois estou de salto. Meu único desejo é ir para a cama e dormir. Só que eu não posso fazer isso. Corro mais rápido e chego ao andar. Abro a porta e as pessoas nem olham para mim, apenas continuam a fazer o que estavam fazendo. Brian é o único que acena para mim, aceno de volta e dou um sorriso tímido, depois explico. Continuou correndo até que trombo com alguém, derrubando a pasta que eu estava carregando. Nem vi quem era, mas sei que a pasta dela também caiu no chão junto com a minha, parece até que o tombo foi proposital, mas não estou com tempo para analisar a situação. Pego a pasta e saio correndo, de novo. 


Minha chefa, Anabelle, terá uma reunião super hiper mega importante. E eu não podia me atrasar, droga, tomara que ainda não tenha começado. Entro na salinha e bato na porta, tinha começado. Merda. Anabelle olhou para mim com os olhos cheios de raiva e pediu licença. Veio em minha direção e arrancou a pasta da minha mão. 


- Depois quero você na minha sala. –Disse como se fosse me matar e na verdade, acho que ia. – 


Assenti de vagar e dei meia volta saindo de lá. Eu disse que estava ferrada, não disse? Eu não tinha uma sala só para mim, eu dividia uma “sala” com mais de 15 pessoas. Sentei no meu cantinho e liguei meu computador. Eu precisava cuidar da agenda de Annabelle, precisava ligar para uma empresa cujo eu esqueci o nome. Precisava marcar a sobrancelha para ela, ver se os filhos dela tinham ido para escola... Essas coisas. 


Só que antes que eu faça alguma coisa do que eu falei, ouço um grito, vindo dela. Ela esta vermelha. De raiva. E isso não é bom. Annabelle carrega algo que eu não consigo identificar e vem até mim. Até mim. Isso não é nada bom. 


- Você pode me explicar isso, Price? –Ela gritou tão alto que todos param e prestam atenção. 


Eu estou petrificada. Paralisada. O que eu fiz de errado dessa vez? Ela joga a pasta que eu carregava de manha e eu olho para ela sem entender. Mas ela não faz nada. Olhou ao redor e todos continuam olhando. Molly da um sorriso sínico, que eu não entendo. Com as mãos tremendo, abro a pasta e meus olhos se arregalam. 


- O-oque? 


- Para rua. –Apenas diz isso. – 


- E-eu... 


Tento explicar, tento explicar que não fui eu. Mas... eu não tenho como provar. 


- AGORA! –gritou tão alto que eu dei um pulo da cadeira. – 



Assenti, peguei minhas coisas, que não são muitas e sai de lá o mais rápido possível. Realmente, que humilhação. Meu coração batia tão forte que eu achava que iria morrer. Coloquei a mão no meu rosto e só ai percebi que estava chorando. Não era justo. Eu não fiz aquilo. Eu não coloquei varias revistas da playboy em vez das coisas que tinha lá. Eu não fiz aquilo. Mas então quem foi? E então eu me toco. Aquele sorriso sínico. Molly. Foi ela que trombou em mim. Propositalmente. Foi ela que trocou as pastas na hora que trombamos. Foi ela que fez minha chefe mostrar para os maiores empresários do mundo, em vez de coisas sobre a revista, revistas da playboy. Estava tudo armado. Tudinho. 

Paro de chorar e então sinto raiva. Raiva de Molly, por ser quem é. Raiva de Anabelle, por não acreditar em mim. Raiva do pessoal da revista, por não me defenderem. Raiva de mim, por ser tão burra. Raiva do mundo, por existir. Raiva de todo mundo. 
Corro o mais rápido possível longe dali. Eu fui demitida. E eu sabia o que isso significava. E isso não era bom, era péssimo. 
Significava que... 
Que eu teria que voltar para Londres. 


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Vocês comentando <3333 Adoro! ahuauha
E ai, gatas do meu coração? Tudo bem com vocês?

Ps: esse cai foi meio chatinho, mas foi preciso ahuahua bj

Respostas dos comentarios --> aqui

6 comentários:

  1. Mdssssssssssssssssssssssssssssssss, que reviravolta na ib.
    Mas a pergunta que não quer calar é: o que houve com o Justin?
    Sabe, eu tentei entender, ele foi embora? Ele deixou ela? Seu anjo?
    Esse capítulo foi trágico, ela é/era toda riquinha e tinha tudo, ai do nada ela está se virando sozinha em NY, e sem ele. E sem a mãe, tadinha, cara essa deve ser a pior coisa do mundo, não acha? Perder os pais? Me dá um aperto no coração só de pensar nisso.
    Falando em aperto no coração, quando vi que você havia postado meu coração começou a bater mais rápido, bem desesperado porque você falou e foi mencionado no capitulo anterior que a partir daquele dia (do beijo) a vida deles iria mudar, e então eu soube que ele iria deixa-lá por causa da sinopse, mas ainda quero entender bem o que houve com ele e ela.
    Sobre o capitulo do beijo, cara eu quase morri com a fofura deles com ciúmes um do outro, e modo como os dois ficaram magoados e sentiam a falta um do outro. E o fato dela ter perdido o primeiro beijo dela de uma forma tão idiota, naquela hora eu pensei: "esse capítulo foi escrito pra mim", é pois é digamos que joguei fora meu primeiro beijo também, não só o primeiro, mas o segundo, e o terceiro, e assim vai. As pessoas dizem que devemos fazer as coisas sem pensar, mas elas não estão completamente certas, porque podemos se arrepender depois, assim como eu.
    Voltando a falar da ib, eu sei que dei uma sumida nos comentários e espero que você me perdoe, e eu quero ver eles se reencontrar, ver o que aconteceu com o Justin nesse tempo, ver se ele se deu bem na vida, sabe? Porque eu chorei no capitulo em que ele comprou a flor pra ela, e o capitulo do aniversário que ele deu a correntinha pra ela (ela ainda tem a correntinha? o que aconteceu? asdfghasfgh só pergunto isso), sim eu chorei por ver que mesmo ele tendo pouco ela não ligava pra isso, e ele não se importava em gastar o que tinha se isso a fizesse sorrir. Que lindo, estou chorando porque lembrei dos outros capítulos, porque ainda estou pensando em como deve ser horrível perder a mãe, por eles estarem separados e longe um do outro, e, porque meu dia não está sendo o mais agradável da minha vida, mas isso não importa.
    Iria falar pra você continuar logo, mas seus capítulos são grandes então deve demorar pra fazer, então por favor, assim que terminar de escrever o próximo poste, não deixe pro dia seguinte nem nada, poste na hora em que terminar haha. Sua ib está perfeita, parabéns moça.
    Você foi na BT?
    Enfim, tenho que desligar aqui, estou ansiosa para o próximo capitulo, e estou avaliando a hipótese de reler All I Want Is You, porque eu amo aquela ib, mas ai eu lembro e começo a chorar lembrando do Jason, você deve estar achando que sou chorona e mimada demais, patricinha, um tanto quanto Fray, e se estiver pensando isso, está certa dafsghdfasghdfhgasfdh. Já me despedi trilhões de vezes, mas não consigo parar de escrever esse é o mal de quando eu começo um comentário, você vai continuar postando "you're my dream", ou vai se focar mais nessa?
    Beijos, haha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse capitulo foi deprê ahuahua AI CARA, EU ESTAVA MORRENDO DE SAUDADES DE VOCÊ E DOS SEUS COMENTARIOS GRANDES E CHEIOS DE SWAG <3 Então, o motivo do Justin ter ''sumido'' da vida dela, vai ser explicado durante a fic, vai ser um pequeno misterio dela ahuahaua Sim, eu também tenho um aperto no coração só de pensar em perder os meus pais. Tadinha da (Sn). Né, nossa aquele Andrew é um imbecil... E mentira, sério? Que triste, amor. Sinto muito. Eu sei como é que é =/ Sim, eu te perdoou, não tem como ficar brava com vc <3 Eu também dei uma sumida (Semana de provas, Bleh. ) A correntinha ela tbm vai explicar pq parou de usar e onde está ela. huahu eu aqui dando spoiler. Ai, da um pouco de trabalho sim auahua mas o bom é que eu agora estou de ferias, entãoooo UHULLL, vou tentar postar 3 vezes por semana. AI EU FUI E VC? Eu fui na pista e socorro, melhor dia ever <3 Eu chorei demais, você não tem noção. E awnn, sabia que eu estou pensando em reescrever AIWIY? aquele começo está meio ruim... enfim, acho que nas férias eu vou reescrever AIWIY. E socorro ''você deve estar achando que sou chorona e mimada demais, patricinha, um tanto quanto Fray'' amei aauahuahau E simmm, eu vou continuar YAMD, tenho que postar, mas vou me focar mais em Dear Angel haha
      bjs Anjo, e vê se não some, senti saudadesss
      xoxo

      Excluir
  2. Nem percebido que tinha mudado para 1 pessoa pra ter noção de como a coisa é tao perfeita u.u
    tadinha deu cara, como minha vida deu um pumf
    Eo que aconteceu cm o Jus? eu preciiiiiiiiiiso saber. Ele não morreu né? Ai scr.
    Esse negócio do trabaio me deu raiva, comassim povo scr
    eu preciso saber a continuação disso u.u vc escreve tão bem Bia scr. Qnts anos tu tem mesmo?
    Eitcha RIP Martin
    eu ri do escandalo delas no shops ehehehheh
    continua scrrao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jura? ahuaua <3
      Né, Tadinha da Fray, mo reviravolta na vida dela =/
      AI SCRR, COMO VC ADIVINHOU?
      MENTIRAAA, claro que não, socorro nunca mataria ele auahua
      Awn, olha quem fala nééé, obg anjinho e eu tenho 14 hahha 15 só ano que vem. E vc?
      RIP Martin HAUHAUHA
      awn, obg gata e continuei <3

      Excluir
  3. Respostas
    1. Ele logo, logo aparece.... de um jeito meio diferente. Mas aparece.
      Muahahaha
      Continuei, princess <3

      Excluir

obrigadaaa por comenta
espero que tenham gostado bjbj